Ex-mulheres e ex-maridos, festas de final de ano te lembram o passado?

 Durante muito tempo, tentei entender por que pessoas tão calmas mudavam seu comportamento todos os anos, exatamente quando as festas natalinas se aproximavam.

Era intrigante ver pessoas serenas ficarem desequilibradas e nervosas ao aproximar-se o Natal. E tendo que conviver com pessoas assim, consegui entender, em parte, o que se passa no coração delas.

 Com o rompimento de um relacionamento, é natural, em alguns casos, que fiquem mágoas e ressentimentos, mas isso precisa passar nos primeiros anos da separação. O que não pode acontecer é levar essas mágoas para o resto de suas vidas. E, principalmente, deixar que esses sentimentos negativos e não superados acabem com suas festas natalinas e de pessoas que não fazem mais parte da sua vida.

Pessoas que não conseguem superar o passado, inconscientemente, jogam todas as suas frustrações e mágoas em um momento de festas, onde era para haver somente alegria. Parece que as mulheres que não estão bem resolvidas emocionalmente têm mais predisposição para colocarem na balança da vida seus temores, ódios, ressentimentos e mágoas, justamente no mês de dezembro. É como se este mês fosse o mês das lamentações e da ira.

Vivenciei casos de pessoas que simplesmente surtaram antes do Natal e cometeram asnices que jamais cometeriam; conheço casos de ex-mulheres que insistem em estarem presentes na vida de familiares e amigos do seu ex-cônjuge; outras que detonam a vida dos filhos, como se estes fossem culpados pelo término da separação e muitos casos, até mesmo cômicos, de chuvas de alfinetadas em redes sociais.

Atos assim são insanos, não trazem resoluções de problemas, nem alegrias e, muito menos, o amor da vida destas mulheres de volta. Aventurar-se em levar uma vida assim é viver um inferno na terra, é morrer antes da hora e passar uma vida angustiante. Claro que os atos destas pessoas irão ter resultado, como filhos tristes, parentes, ex-parentes e amigos constrangidos e talvez até consigam fazer que o ex-marido ou ex-mulher tenham um Natal nem tão alegre como poderiam ter. Mas o maior prejudicado é a própria pessoa, que além de demonstrar que o seu passionalismo continua, ainda continua sozinha, embora possa ter ao seu lado um “corno de intenções” e passará mais um Natal em festas rindo por fora e gritando por dentro.

              Temos que aprender que os desencontros, desentendimentos e mágoas advindas de casamentos fracassados não serão resolvidos em festas de Natal. E que a vida, por pior que se encontre, ainda continua sendo o maior presente. Permita-se, este ano, ser presenteada com a magia do Natal e deixe que o Papai Noel leve embora em seu trenó tudo que passou em sua vida, por melhor que tenha sido, mas que hoje não faz mais parte do seu presente.