Casamento: Pra que te quero?

O casamento pode ser visto por vários ângulos: para uns, é o sonho realizado; para outros uma aposentadoria; talvez o sentido da vida; ou ainda um mal necessário. Tudo depende do ponto de vista e dos desejos de cada indivíduo. Seja querido ou não, quando acontece, precisa ser bem cuidado, do contrário não se justifica ter os ônus para não viver bem e em paz consigo mesmo.

Criar muitas expectativas, como se o casamento fosse a fonte da felicidade e a solução para seus problemas financeiros e, principalmente, emocionais, seria ao menos desapontador. Pois o casamento vai além disso, e envolve duas pessoas diferentes e que desejam, juntas, seguir uma vida feliz. Caminharão por entre sorrisos e lágrimas, conquistas e derrotas, festas e lutos, chegadas e partidas. Por isso, criar expectativas de que não haverá problemas é sair da realidade. O ideal é entrar com os pés no chão e sempre tentar ser cada dia melhor. Sempre focar no objetivo do casamento, que consiste em viver feliz a dois, respeitando a individualidade do outro.

O filósofo grego Plutarco, conhecido principalmente por suas obras Vidas Paralelas e Moralia, já tecia algumas considerações para se ter um relacionamento feliz. O site Mental Floss listou nove conselhos de sábios sobre relações amorosas e casamento. Citarei alguns deles que se observados, podem deixar um casamento um pouco mais feliz:

Aceite as picuinhas da pessoa amada: Na obra Moralia, o grego explica que homens, assim como os animais, são facilmente irritados por certos tipos de som ou cores – alguns homens "não podem aguentar a visão do vermelho ou do roxo". Cabe à mulher descobrir os incômodos do marido e evitá-los, para que vivam "em constante gentileza" um com o outro. 

Divirta-se com a pessoa amada, ou ela vai se divertir sem você: Plutarco acreditava que o casamento era uma união tão poderosa a ponto de transformar duas pessoas em uma só. Logo, é preciso passar tempo com o parceiro, para se divertir e rir junto com ele. Caso contrário, a diversão vai ser encontrada fora de casa. "Homens que não se divertem com suas esposas estão ensinando a elas que procurem seus próprios prazeres longe do marido", escreveu o grego. 

Sua sogra provavelmente será ciumenta: Então faça de tudo para compreendê-la. Plutarco dizia que "um jeito de curar a hostilidade é criar afeição por ela, sem afetar o relacionamento da mãe com seu filho". 

Para um relacionamento funcionar, ambos devem ter os mesmos traços de caráter: O casamento simplesmente não funcionará se ambos forem "más" pessoas ou se apenas uma delas for boa.

O tempo vai fortalecer a relação: Para Plutarco, as relações só ficam mais fortes com o passar do tempo. Ao dar um conselho para os recém-casados, o filósofo reforça que é preciso tomar cuidado com a discórdia, que pode enfraquecer a relação. Mas "depois de um tempo, quando estiverem realmente ligados, não podem ser separados nem por fogo nem por aço", reflete o grego.